Especialistas debatem fundamentos e aplicabilidade da Governança e Compliance nas organizações

O CRC ao vivo com Você, realizado em 9 de dezembro, contou com as presenças da vice-presidente de Relações com os Profissionais do CRCRS, Elaine Görgen Strehl, do coordenador da Comissão de Estudos de Governança e Compliance, Sérgio Laurimar Fioravanti, convidado especial, e do conselheiro Arthur Rocha Benevides Magalhães, que debateram o tema “Governança e Compliance – Fundamentos e Aplicabilidade”.

Tema de extrema importância para a saúde das empresas, como considerou o conselheiro Arthur Magalhães. A governança corporativa tem entre seus fundamentos, a transparência, equidade, prestação de contas e responsabilidade corporativa. Ao detalhar cada um desses pilares, o coordenador Sérgio Fioravanti salientou que, embora as organizações possam trabalhar alguns desses tópicos com mais intensidade que outros, não é possível prescindir do desenvolvimento de todas essas premissas, em harmonia. Segundo ele, “essa não é uma tarefa fácil, requer comprometimento e envolvimento das pessoas, mas é primordial que as empresas estabeleçam uma metodologia de adoção da governança”.

A importância do contador foi ressaltada pela vice-presidente Elaine Strehl, especialmente quando há a necessidade de respostas ágeis e rápidas no momento da tomada de decisão. Sobre essa questão, Sérgio Fioravanti lembrou que “só existe um lugar em que se controla o dinheiro em uma organização – a contabilidade”. Em decorrência disso, “devemos nos envolver, cada vez mais, no processo de gestão dos negócios. A contabilidade tem função extremamente relevante no contexto da governança e nós, profissionais contábeis, precisamos ser protagonistas da nossa importância na informação econômica das entidades e instituições”, afirmou o coordenador da comissão do CRCRS.

Em relação aos processos sucessórios, o conselheiro Arthur Magalhães lembrou que a governança traz muitos benefícios e auxilia fortemente no decurso das etapas. Conforme Sérgio Fioravanti, em que pese tratar-se de um tema, às vezes, difícil, é preciso discutir os processos sucessórios no interior das empresa, incluindo as organizações contábeis. A governança oferece a metodologia da discussão para identificar quem tem a devida potencialidade para tornar-se o sucessor na gestão da empresa. “Entre as técnicas de governança aplicadas, é preciso trabalhar fortemente o princípio da continuidade”, explica o coordenador. O balanço de uma empresa é elaborado com base no pressuposto básico internacional da continuidade dos negócios e os profissionais da contabilidade contribuem muito nesse aspecto, porque têm o domínio da leitura dos números, sendo capazes de, por meio da aplicabilidade das ferramentas da governança, detectarem as condições de continuidade, bem como procederem o adequado mapeamento de riscos dos negócios, esclareceu Fioravanti.

Se você não ainda não assistiu ou se quiser rever, o CRC ao vivo com Você “Governança e Compliance – Fundamentos e Aplicabilidade” está disponível na TV CRCRS, canal no YouTube.

VIII Encontro de Peritos Contábeis do CRCRS – primeiro evento on-line a pontuar para o PEPC

O CRCRS realizou, nos dias 30 de novembro; 1, 2 e 8 de dezembro, por meio da Comissão de Estudos de Perícia Contábil, o VIII Encontro de Peritos Contábeis – primeiro evento on-line a pontuar para o Programa de Educação Profissional Continuada (PEPC) do Conselho Federal de Contabilidade. Temas atuais e relevantes para o segmento, abordados por especialistas, garantiram o sucesso do evento, que transcorreu centrado no impacto da pandemia na perícia contábil.

A solenidade de abertura, na noite da segunda-feira (30), contou com as participações da presidente do CRCRS, Ana Tércia L. Rodrigues; do vice-presidente de Desenvolvimento Profissional, Márcio Schuch Silveira; e da coordenadora da Comissão de Estudos de Perícia Contábil, Sandra Rasquin Rabenschlag, que ressaltou a gratuidade e a importância do encontro, que desenvolveu tópicos sobre: Perícia Contábil Investigativa?; A Perícia em contratos bancários em tempos de pandemia; A relevância do contador no processo de recuperação judicial; e Impactos da pandemia nas relações de trabalho.

Na sequência, o vice-presidente Márcio Schuch Silveira agradeceu o empenho dos colaboradores e salientou a satisfação dessa gestão em realizar esse primeiro encontro em formato on-line, em condições de pontuar para o PEPC.

A presidente Ana Tércia saudou a organização do evento, frisando que o resultado é fruto do esforço de muitas pessoas e de um trabalho em equipe, muito bem orquestrado pelo vice-presidente de Desenvolvimento Profissional, Márcio Schuch, que permitiu aos profissionais de perícia, além do conhecimento, pontuarem para o PEPC. “Esse é um dos méritos da virtualidade, que possibilitou reunir tantos profissionais, apesar da pandemia”, destacou a presidente.

Perícia Contábil Investigativa?

O painel “Perícia Contábil Investigativa?”, inaugurou o evento com palestra do perito criminal federal Andrey Souza, que falou sobre o binômio dúvidas e certezas nas análises periciais, em especial, frente à rápida evolução tecnológica. Além de refletir sobre como se desenvolve o trabalho de investigação na área da Perícia Contábil, Andrey abordou tópicos da Contabilidade Forense, como diligências periciais, papel e procedimentos dos peritos judiciais e assistentes técnicos, dentre outros.

Também participaram do painel as integrantes da Comissão de Estudos de Perícia Contábil do CRCRS, Sandra Rabenschlag, coordenadora, que atuou como mediadora, e Rosana Lavies Spellmeier, como debatedora.

Acompanhe a solenidade de abertura e o painel “Perícia Contábil Investigativa?”, na TV CRCRS.

A Perícia em contratos bancários em tempos de pandemia

Na segunda noite do evento (1/12), foi a vez do painel “A Perícia em contratos bancários em tempos de pandemia”, com palestra da perita judicial e extrajudicial Sônia Regina Ribas Timi, e as participações das integrantes da Comissão de Estudos de Perícia Contábil do CRCRS, Letícia Coelho Py, debatedora, e Ana Cláudia Santa Helena, mediadora.

Sônia Timi referiu-se ao trabalho dos peritos contábeis em relação a temas como a licitude ou ilicitude dos contratos bancários sobre a capitalização de juros, que seguem predominando no Judiciário – que ainda não está sendo demandado por processos decorrentes de empréstimos contraídos durante o período de calamidade – previsto para durar até 31 de dezembro. Ela acredita, porém, que a data poderá ser revista, já que é possível haver um crescimento no número de execuções por inadimplência, uma vez que muitos empreendedores, principalmente de menor porte, tomaram empréstimos e não conseguem cumprir os pagamentos. Outros aspectos tratados, na oportunidade, foram a precificação e a facilitação do pagamento do trabalho do perito, durante a crise, sem perder de vista a relação do preço com o real valor do trabalho do profissional.

O painel “A Perícia em contratos bancários em tempos de pandemia” está disponível na TV CRCRS, canal no YouTube.

A relevância do contador no processo de recuperação judicial

A juíza de Direito, titular da 2ª Vara Empresarial e de Conflitos Relacionados à Arbitragem/SP, Renata Mota Maciel, foi a palestrante do painel “A relevância do contador no processo de recuperação judicial”, atração do encontro, no dia 3 de dezembro. Os integrantes da Comissão de Estudos de Perícia Contábil do CRCRS, Edi Cristiano Siqueira e Andreia Federizzi, atuaram, respectivamente, como debatedor e mediadora.

Renata Maciel expôs a relevância do contador nos processos de recuperação judicial e de falência, abordando os processos concursais em geral, tema a que se dedica na vida acadêmica. Segundo ela, em um período de pandemia, é grande a preocupação com o volume de empresas em crise que possivelmente irão judicializar pedidos de recuperação. Sob esse aspecto, a juíza entende que o grande desafio é a eficiência desses processos. “São processos que tendem a se alongar no tempo; às vezes envolvem ativos consideráveis que acabam se deteriorando; e têm uma fase de apuração do passivo, muitas vezes, demorada e com grande complexidade na quantidade e na qualidade do que é debatido”, lembrou. Essas, segundo Renata Maciel, são algumas das razões que tornam essencial refletir sobre o papel do contador, que é central nesse tipo de processo. “O sucesso de um processo judicial e de falência depende, em grande medida, da atuação do contador”, afirmou.

O painel “A relevância do contador no processo de recuperação judicial” está disponível na TV CRCRS.

Impactos da pandemia nas relações de trabalho

O VIII Encontro de Peritos Contábeis encerrou-se em 8 de dezembro, com o painel “Impactos da pandemia nas relações de trabalho”, com o desembargador do TRT/RS Francisco Rossal de Araújo como palestrante e com as participações das integrantes da Comissão de Estudos de Perícia Contábil do CRCRS, Regina Pedra (debatedora) e Dircinha Susin Bocchese (mediadora).

Em que medida a pandemia está afetando o trabalho de juízes, advogados e peritos na Justiça do Trabalho? Quais mudanças vieram para ficar e o que deve retornar ao formato anterior? Essas foram algumas das reflexões do desembargador Francisco Rossal de Araújo, que lembrou que fenômenos inusitados como a crise do coronavírus mudam não apenas a forma de trabalhar como a forma de viver, porque alteram parâmetros éticos, valores, os modos de relacionamento entre as pessoas e, também, as relações de trabalho. Um exemplo é o teletrabalho que, segundo Araújo, vai desafiar os peritos contábeis a lidarem com cálculos de tempos de conexão de internet – “o que logo deverá provocar o surgimento de um novo campo de perícia: as perícias técnicas no campo da informática”, prevê o desembargador.

Quem não conseguiu assistir ao vivo o VIII Encontro de Peritos Contábeis, que contou mais de 300 profissionais inscritos, poderá assistir na TV CRCRS, canal no YouTube.

 

Como profissionais e empresas contábeis podem mitigar riscos em diferentes segmentos da contabilidade? O CRC ao vivo com Você discutiu o tema. Confira!

O CRC ao vivo com Você, desta quarta-feira, reuniu o vice-presidente de Gestão do CRCRS, Celso Luft, com o convidado especial, Luis Elemar Lunkes Mielke coordenador da Comissão de Estudos de Organizações Contábeis, e a conselheira Tatiani Margutti Brocca Pedrotti, que atuou como mediadora do debate sobre “Responsabilidades e riscos dos profissionais e empresas da área contábil”. Os participantes contaram um pouco de suas trajetórias profissionais, além do trabalho em entidades de classe, e analisaram os desafios da Contabilidade, em especial, nestes tempos de pandemia.
As dificuldades decorrentes das reuniões em formato virtual não impediram a Comissão de Estudos de Organizações Contábeis de produzir uma cartilha com o objetivo de alertar profissionais e empresas sobre os riscos dos compromissos assumidos no trabalho, principalmente, em relação ao excesso de demanda. A publicação está prevista para o próximo ano. O coordenador Elemar Lunke também anunciou que está em andamento o projeto de um ciclo de palestras virtuais, integrando estudantes, profissionais e empresários, sobre temas de amplo interesse, como gestão de empresas contábeis, em particular nos aspectos da qualidade, processos e contabilidade digital. Outros tópicos previstos para serem tratados nesse evento, segundo o coordenador, são o trabalho em home office, com suas boas e más experiências, e as novas habilidades exigidas dos profissionais da contabilidade frente à crescente automatização do trabalho.
A preocupação sobre as medidas de proteção a serem adotadas por profissionais e empresas de contabilidade para enfrentar os riscos inerentes às atividades contábeis foi um dos questionamentos do vice-presidente Celso Luft à conselheira Tatiani Pedrotti. Segundo ela, para mitigar esses riscos, é necessária cautela permanente. Manter-se atualizado diante das frequentes mudanças na legislação e ter máxima atenção aos prazos de envio de informações – cuidados básicos. Outro aspecto importante, é estar atento à elaboração de um contrato adequado de prestação de serviços, que confira transparência à parceria da relação profissional-cliente. “O contrato de prestação de serviços proporciona embasamento legal ao profissional e à empresa contábil, no sentido de minimizar os riscos não só na relação com o cliente como perante o fisco”, destaca a conselheira.
Confira o CRC ao vivo com Você, na TV CRCRS, canal no YouTube.