Diversidade de temas marca o segundo dia do XI ENMC e XVI CCRS

O segundo dia (14) do XI Encontro Nacional da Mulher Contabilista e XVI Convenção de Contabilidade do RS foi de apresentação de temas de grande interesse social. “Reforma Previdenciária – Você é contra ou a favor?” foi a discussão proposta pelo membro da Comissão de Direito Processual em Direito Previdenciário da OAB – Seccional Caxias do Sul, Anderson de Tomasi Ribeiro, e pela vice-presidente de Desenvolvimento Profissional e Institucional do CRCRN e membro do painel de especialistas em riscos previdenciários do Fiscal Affairs Department (FAD) do fundo Monetário Internacional (FMI), Liêda Amaral, com mediação do vice-presidente Técnico do CRCRS, Márcio Schuch da Silveira.
Reforma Previdenciária_140917Outro tema polêmico e que atraiu grande público foi o painel “Segurança Pública – Protegendo a Vida, o nosso maior patrimônio”, debatido pela tenente-coronel e vereadora de Porto Alegre, Comandante Nádia; o ex-secretário de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame; e o juiz de Direito e Diretor do Foro de Lajeado, Luis Antônio de Abreu Johnson, com mediação da presidente do CRCRJ, Vitória Maria da Silva.Segurança Pública_140917O “Protagonismo Feminino no Ambiente Corporativo”, com a abordagem temática “Glass Ceiling – A desigualdade de gênero e o fenômeno do teto de vidro” discutiu as mais recentes pesquisas sobre o tema, com as participações da presidente da Abracicon, Maria Clara Cavalcante Bugarim; o professor e membro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Silvio Parodi Camilo; e a presidente da Federasul, Simone Leite, com mediação de Márcia Alcazr, vice-presidente de Administração e Finanças do Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo.
Protagonismo Femninino_1Protagonismo Femninino_2A relação entre o avanço das tecnologias e a qualidade de vida foi tratada na palestra “Disrupção Digital em Business – Liderando a revolução”, pela escritora Martha Gabriel. A dependência do telefone celular, a necessidade de estar permanentemente conectado e o impacto desses hábitos na saúde das pessoas foi o viés usado pela palestrante.Disrupção Digital_140917No  painel “Formação de Lideranças na Política da Classe”, mediado pelo coordenador do Comitê Administrador do Programa de Revisão Externa de Qualidade (CRE) do CFC, Rogério Rokembach, a vice-presidente de Gestão, Ana Tércia Lopes Rodrigues, citou o caso das comissões de estudos do CRCRS, entre as quais surgiu o CRCRS Jovem. “Esses novos profissionais têm muito a ensinar a todos nós, com seu modelo colaborativo de trabalho”, afirmou, lembrando que esse novo paradigma inspirou até mesmo o lema do XI ENMC e XVI CCRS, “Compartilhando experiências, unido competências”. Também participaram o vice-presidente de Política Institucional do CFC, Joaquim Bezerra Filho, e o presidente do Sescon-SP, Márcio Shimomoto, que comentaram os projetos de formação de lideranças desenvolvidos por suas entidades.

Formação de llideranças“Compartilhamento como Oportunidade de Negócios”, reuniu a diretora de Recursos Humanos para Brasil e América Latina da EY, Elisa Carra, a diretora Nacional Executiva de Vendas da Mary Kay, Leila Palombini, e a delegada regional do CRCRS em Santa Maria e membro do G-Brasil, Simone Zanon, que apresentaram suas experiências profissionais com compartilhamento. As painelistas foram unânimes em reconhecer nesse sistema uma nova forma de comportamento capaz de proporcionar economia e felicidade aos envolvidos no trabalho. Simone Zanon apresentou o case do Grupo Brasil, idealizado pelo contador Ivan Carlos Gatti, que reúne 39 empresas de contabilidade de todo o País, que funcionam em rede, o que melhora o desempenho, a eficiência e a produtividade. A mediação foi da contadora Andréa Reolon, coordenadora da Comissão de Estudos do CRCRS Mulher.Compartilhamento como oportunidade de negóciosA executiva do Comitê de Diversidade e Inclusão da Microsoft, Lisiane Lemos, apresentou algumas ações da empresa para a diversidade, em especial, a inclusão de gênero. Foi no painel “Mulher: Poder, Intuição e Transformação nas Organizações”, moderado por Silvia Cavalcante, presidente do CRC-MT. Desde 2012, a Microsoft Brasil possui um Comitê de Diversidade e Inclusão, que teve “Mulheres” como seu primeiro pilar de debate. Nos últimos anos, a discussão se estendeu e, hoje, a empresa possui outros três pilares de atuação: PwD (Pessoas com Deficiência), BAM (Blacks at Microsoft) e LGBT+. Para a especialista em Gestão Estratégica de Pessoas, Andréa Saad, as mulheres estão assumindo novos papéis, tanto no mundo corporativo como social, sem deixar de lado a vida pessoal e doméstica. “Estas demandas contemporâneas, aliadas ao desejo de se posicionar e prosperar  em um mercado altamente competitivo, exige um desempenho cada vez maior, que elas vêm buscando por meio de qualificação constante e autodesenvolvimento”, afirma Andréa. O sócio e membro do Comitê de Diversidade e Inclusão da KPMG, Rogério Andrade, foi taxativo ao afirmar que todos ganham com a equidade de gêneros. Segundo ele, “o novo papel da mulher trabalhadora beneficia toda a sociedade e, tendo essa compreensão, a KPMG atua com vistas ao empoderamento das mulheres, na linha do movimento He for She, lançado pelo ONU em 2014.”Mulher_Poder_Intuição e TrasnsformaçãoNo último painel da tarde, “Pacto pelo Brasil: mais Controle, menos Corrupção”, moderado pelo vice-presidente de Relações Institucionais do CRCRS, Pedro Gabril Kenne da Silva, o superintendente da CGU/RS, Carlos Alberto Rambo, defendeu o trabalho em rede entre órgãos de controle, como forma de fortalecer a transparência. Jerusa Viecili, Procuradora da República do Ministério Público Federal, relatou sua experiência nas investigações da Operação Lava-Jato que, em 2015, lhe rendeu um prêmio do Global Investigations Review, um portal de notícias consolidado no cenário internacional como um dos principais canais sobre investigações contra a corrupção. O presidente do Observatório Social do Brasil, Ney Ribas, relatou brevemente a história do OSB, e destacou o papel do controle social, por meio do trabalho voluntário, como um valioso instrumento de contribuição para a lisura da gestão pública.Pacto pelo BrasilEmerson Melo, sócio-diretor da KPMG, que ministrou a palestra “Gestão de Riscos e Compliance nas Organizações”, moderada pelo conselheiro do CRCRS, Paulo Alaniz, considera que, a partir da Lei Anticorrupção, o aumento de exigências regulatórias têm desafiado as organizações a investir em estruturas mais eficientes para monitoramento e prevenção de riscos. Uma das consequências tem sido o aprofundamento do debate com vistas à construção de uma conduta ética  no meio empresarial.Gestão de Riscos e ComplianceTer consciência da própria respiração é uma excelente medicina para a cura da ansiedade. Essa foi uma das lições da monja zen budista Coen Roshi, para um auditório lotado, que acompanhou atentamente a palestra “Aprendendo a lidar com as emoções”, moderada por Maria Constança Carneiro Galvão, conselheira do CFC. De acordo com a monja, perceber-se é essencial para que o ser humano controle sobre suas emoções, e esse é um processo que começa pela respiração.Aprendendo a lidar com as emoções_Monja Coen_Conselheira Maria Constança

Encontro Geral de Delegados e coordenadores das comissões de estudos

Nesta manhã, também foi dada continuidade ao Encontro de Delegados e de coordenadores de comissões de estudo do CRCRS, com palestra do coordenador do Comitê Administrador do Programa de Revisão Externa de Qualidade dos Auditores do Brasil, Rogério Rokembach, sobre o impacto do avanço das tecnologias no modo de trabalhar dos profissionais da contabilidade.

IMG_3204