Importantes conquistas da história da Contabilidade narradas por uma das “lendas” da profissão. Confira a segunda edição do “Lendas da Contabilidade”, com José Martonio Alves Coelho

Na manhã de sábado (24/10), o contador José Martonio Alves Coelho narrou fatos históricos e curiosos que marcaram a Contabilidade, especialmente sob o enfoque classista, na segunda edição do Lendas da Contabilidade.

Martonio foi presidente do Conselho Federal de Contabilidade por três mandatos (2004-2005, 2014-2015 e 2016-2017) e detentor da medalha Mérito Contábil João Lyra, maior distinção da classe contábil brasileira.

Em tom descontraído, o bate-papo foi conduzido pelas presidentes do CRCRS, Ana Tércia L. Rodrigues, e da Associação Interamericana de Contabilidade (AIC) e Abracicon, Maria Clara Bugarim.

Há mais de quatro décadas integrado ao movimento classista da contabilidade e  visivelmente emocionado ao receber o tratamento de “lenda da contabilidade”, José Martonio iniciou falando sobre a importância da articulação política para construir gestões – uma das suas características mais marcantes, como observou a presidente Ana Tércia.

Inspirado por um dos grandes ícones da contabilidade, o gaúcho Ivan Carlos Gatti, José Martonio passou a participar de reuniões, a partir das quais foi incentivado e estimulado a realizar um trabalho em prol da profissão contábil brasileira, por meio da participação no Conselho Federal de Contabilidade (CFC).

Maria Clara Bugarim, que também presidiu o CFC e é esposa de José Martonio, o questionou sobre qual seria, para ele, a maior conquista alcançada até aqui, aquela pela qual ele gostaria de ser lembrado. Martonio recordou duas de suas muitas conquistas, as que considera como muito importantes em seu percurso de líder classista, ambas, resultados de muita articulação política. Primeiramente, em sua passagem pelo CFC como vice-presidente, destacou a luta e a aproximação com o Congresso Nacional para que fosse apresentado um projeto de lei que permitisse que todos os Estados da Federação fossem representados no Conselho Federal – até aquele momento, apenas 15 regionais tinham assento na entidade. Foi um processo longo, que culminou em 2013, com a aprovação da Lei nº 12.932, conhecida como Lei da Representatividade, que trata da composição do Plenário do CFC.

Outro êxito, obtido no âmbito do ensino da Contabilidade, foi a conquista da previsão legal para realização do Exame de Suficiência. Foram muitas as viagens pelo País e as participações em eventos para debater com representações estudantis e professores sobre a importância de que os graduandos em Ciências Contábeis se submetessem a essa avaliação, no final do curso, como uma das formas de valorizar a profissão contábil. Mais uma vez, foi uma luta que “começou por resolução, foi barrada pela Justiça, teve embates no Congresso Nacional e tentativas de mudar a Lei de Regência, para que, por fim, se criasse a Lei nº 12.249/2010, que institui o Exame de Suficiência como um dos requisitos para obtenção do registro profissional em Conselho Regional de Contabilidade”, relatou Martonio. Ele fez questão de lembra que todas as conquistas foram frutos de um trabalho conjunto. “Nunca tomei decisões isoladas, acho que, por isso, nunca me senti no ostracismo, no sentido de ficar na presidência sem conversar com ninguém”, afirmou.

“Lendas da Contabilidade” é um projeto idealizado pelo Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul (CRCRS) e realizado em parceria com a Associação Brasileira de Contabilidade (Abracicon). O objetivo é resgatar um pouco da história da Contabilidade, por meio de experiências vividas por ícones da profissão

Na TV CRCRS, canal do Conselho no YouTube, você confere essa “aula de história da Contabilidade”, na íntegra. Imperdível!