Palestra sobre os novos relatórios de gestão, com abordagem ESG, dá início às transmissões de eventos on-line 2021

O CRCRS retomou, nesta terça-feira (9/2), as transmissões dos eventos on-line, com uma exposição da presidente Ana Tércia sobre o Relatório Integrado, com base em gestão ESG, centrada em uma visão holística e sustentável nas organizações.

O vice-presidente de Desenvolvimento Profissional, Márcio Schuch Silveira, que atuou como moderador, iniciou a abordagem, lembrando do espaço, indiscutivelmente, importante que o profissional da Contabilidade ocupa nas empresas, especialmente, no acompanhamento do desempenho das gestões das empresas. Entretanto, ponderou que, muitas vezes, se faz necessário uma melhor comunicação da empresa, no sentido de repassar informações mais amplas, claras e objetivas para a sociedade e seus stakeholders.

Para Márcio, a partir do momento em que o profissional da contabilidade trabalha com as notas explicativas, ele já está se comunicando com a sociedade ou com as partes relacionadas. Em um ambiente mais tradicional, o documento que traz uma visão mais de gestão da empresa é o relatório de administração. Porém, com o relato integrado, baseado em ESG, o nível de detalhamento e abrangência das informações são bem maiores.

A presidente Ana Tércia explicou que a ESG (Environmet Social Governance) significa incorporar uma abordagem voltada às questões de governança, ambientais e sociais aos relatórios corporativos.

“Isso decorre de um movimento que vem impactando fortemente o mercado de todas as empresas que se relacionam dentro de um ecossistema empresarial e empreendedor, buscando o desenvolvimento de ações para a melhoria do ambiente de negócios. Essa melhoria só vai se dar se integrarmos à gestão, não só aspectos ligados a gestão do negócio, como também, as questões ligadas ao meio ambiente e abordagens sociais”, explicou a presidente. Acrescentou que “a abordagem ESG passa por uma visão de sustentabilidade que não se restringe a questões ambientais. Dentro da visão ESG, sustentabilidade é sinônimo de um conjunto de ações desenvolvidas pela empresa que gera maior valor no negócio e reflete nos diversos públicos envolvidos”.

ESG engloba conceito de seis capitais: financeiro, humano, intelectual, manufaturado, natural, social e de relacionamento. Nos últimos tempos, tem-se observado que as melhores práticas ambientais, sociais e de governança estão associadas a negócios sólidos, o que vem despertando grande interesse e ampliando a sua prática.

Conforme observação do vice-presidente, a Contabilidade, com suas normas, relatórios, demonstrações contábeis e financeiras, por toda uma necessidade normativa, impõe limitações em reconhecer amplamente aquilo que se demonstra como patrimônio de uma empresa. O contador, entendendo essa visão holística, pode contribuir muito para o sucesso de uma empresa, pode ser um agente fundamental, estimulando e incentivando a integração desses capitais que não estão dentro dos relatórios.

Ana Tércia reforça a ideia do profissional da contabilidade se colocar como protagonismo desse processo. “O profissional contábil tem a técnica e conhecimento; tem o poder transformador, estando em condições estratégicas, pode contribuir muito para aumentar a capacidade de sustentabilidade empresarial, agregar valor ao nome empresarial – capital reputacional da empresa. Esse tema tem um potencial de alavancar carreiras. Estamos diante de novos conhecimentos que vão nos trazer um propósito muito maior dos que, historicamente, nos trouxeram até aqui – tudo está sendo reinventado. Vamos ressurgir para novas oportunidades, porque o conhecimento técnico nós dominamos”.

A presidente Ana Tércia e o vice-presidente Márcio Schuch Silveira ainda abordaram outros pontos da gestão ESG. Vale a pena conferir! É um tema instigante, atual e de grande repercussão no ambiente empresarial – vídeo disponível na TV CRCRS no YouTube.