Seminário sobre DOAR – Direção do Orçamento na Aplicação de Recursos – despertou grande interesse na classe contábil

Com um público de mais de 170 pessoas reunidas no auditório do Ministério Público em Porto Alegre, teve início, nesta sexta-feira (4), o Seminário sobre Direção do Orçamento na Aplicação de Recursos – DOAR. O Projeto, promovido pelo CFC em parceria com a FBC, Abracicon, PROFIS e Conselhos Regionais de Contabilidade, pretende levar o evento a diversos estados da federação para que o Programa de Voluntariado da Classe Contábil Brasileira (PVCC) e as ações sociais desenvolvidas pelo Sistema CFC-CRCss sejam amplamente divulgados e obtenham um engajamento crescente de profissionais da contabilidade.

O Seminário, que se estendeu por todo o dia, abordou o PVCC, a prestação de contas das entidades do terceiro setor, orçamento familiar e controle social, os aspectos contábeis e jurídicos das fundações e entidades de interesse social.
O evento contou com as presenças do vice-presidente de Desenvolvimento Operacional de CFC, Enory Luiz Spinelli; da diretora da Fundação Brasileira de Contabilidade, Ana Tércia Lopes Rodrigues; do Procurador das Fundações do Estado, Antônio Carlos Avelar Bastos; do presidente da PROFIS, Léo Charles Brossard.
O presidente do CRCRS, Zulmir Breda, enalteceu a importância do evento, especialmente por tratar de temas referentes ao terceiro setor e fundações, que até poucos anos atrás não fazia parte do cotidiano dos profissionais da contabilidade e raramente se debatia o assunto.
O procurador Avelar Bastos também ressaltou o crescimento e visibilidade que as fundações alcançaram nos últimos anos e a fundamental participação dos profissionais da contabilidade incidindo no aspecto técnico do processo. Admitiu que o Sistema de Prestação de Contas adotado pelo Ministério Público desde 2002 precisa de aperfeiçoamento. Entretanto, frisou que a prestação de contas é um ato muito sério e, para o Ministério Público, está dentro do conceito de velamento. Avelar repetiu que o Ministério Público está à disposição para orientar a prestação de contas das fundações e entidades do terceiro setor, sem visar a punição como primeiro procedimento no caso de ocorrer equívocos.