Educação e Contabilidade marcam a trajetória de Ernani Ott, uma lenda da Contabilidade

A quarta edição da série Lendas da Contabilidade e primeira de 2021, realizada na manhã do sábado, 20 de março, homenageou o professor universitário e contador Dr. Ernani Ott. Em entrevista conduzida pela presidente do CRCRS, Ana Tércia L. Rodrigues, com a participação da diretora de Ensino e Pesquisa da Abracicon, Gardênia Maria Braga de Carvalho, ele compartilhou um pouco da vasta bagagem adquirida no caminho trilhado dentro de uma carreira que reuniu Contabilidade e Educação. No currículo, Ernani Ott reúne títulos como Doutor em Ciências Contábeis pela Universidade de Deusto, Espanha (1998); professor titular da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, desde 1969 até 2020; membro da Acadêmica Brasileira de Ciências Contábeis e da Academia de Ciências Contábeis do Rio Grande do Sul, entre muitos outros. Episódios importantes dessa trajetória inspiradora e de muito aprendizado, foram narrados na live, transmitida pela TV CRCRS, no YouTube, alcançando mais de quatrocentas visualizações.

Ao apresentar o contador Ernani Ott, a presidente Ana Tércia destacou a grande legião de fãs, entre alunos, colegas e amigos, que miram o exemplo dessa lenda da Contabilidade, cuja inclinação para a área econômica, constatada na adolescência, vem sendo confirmada há mais de 50 anos, no exercício da docência. “Foi o destino”, brinca Ernani Ott, que não contava com exemplos próximos na profissão, e começou a lecionar no curso de Ciências Contábeis, em 1968, logo que concluiu a Faculdade de Economia, antes mesmo da criação da Universidade do Vale do Sinos, a Unisinos, em São Leopoldo, onde tem atuado desde então.

Entre as passagens marcantes do percurso do professor, Ana Tércia lembrou sua ousadia ao enfrentar o desafio de cursar o doutorado na Espanha, em uma época em que poucos se aventuravam a tanto. O Ott reconhece que foi uma grande responsabilidade, mas, também, uma conquista que mudou a sua vida. Ser o primeiro doutor em Ciências Contábeis da Unisinos  resultou na criação do curso de mestrado, em 1999, do qual foi coordenador, durante cerca de dez anos. Foi a semente para a posterior criação do curso de doutorado na Universidade, que hoje conta com bancas de defesa em vários Estados brasileiros.

A diretora da Abracicon, Gardênia de Carvalho, salientou a importância da série Lendas da Contabilidade, como um instrumento capaz de inspirar profissionais e de contar a história da Ciência Contábil no Brasil e no mundo. Ela lembrou, também, a atuação conjunta com Ernani Ott no conselho editorial da Revista Brasileira de Contabilidade, o que, hoje, lhe permite definir o professor pela dedicação em todas as áreas em que atua.

A realização do evento é do Conselho Regional de Contabilidade do RS (CRCRS), em parceria com a Academia Brasileira de Contabilidade (Abracicon) e Academia de Ciências Contábeis do RS (ACCRGS), com patrocínio da Safeweb. Confira, na TV CRCRS, no YouTube, essa trajetória acadêmica inspiradora!

Receita Estadual publica versão simplificada de Boletim com indicadores econômico-fiscais da primeira quinzena de março

Em razão do agravamento da pandemia e dos respectivos efeitos na economia, a Receita Estadual divulgou, nesta sexta-feira (19/3), uma versão simplificada do Boletim sobre os impactos da Covid-19 nos principais indicadores econômico-fiscais do Rio Grande do Sul. Normalmente de periodicidade mensal, a publicação apresenta dados da primeira quinzena do mês de março sobre a emissão de Notas Fiscais eletrônicas, vendas por setor de atividade e arrecadação de ICMS. O boletim já está disponível no Receita Dados, portal de transparência da Instituição.

A emissão de Notas Eletrônicas (Nota Fiscal Eletrônica + Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica) registrou variação positiva de 9,3% na primeira quinzena de março frente ao período equivalente do ano anterior, dando sequência ao movimento verificado desde junho de 2020. O pior resultado do indicador ocorreu em abril de 2020 (-16,7%). No acumulado do período da crise (16/3/20 a 15/3/21), o indicador agora acumula ganho de 5,6%.

Na análise das vendas por atividade, a indústria e o atacado apuraram crescimento no período frente a 2020, com 18,3% e 10,2%, respectivamente. Já o varejo, afetado pelas medidas restritivas para conter o avanço do vírus, registrou -6,6% nas duas primeiras semanas de março, interrompendo uma sequência de sete meses consecutivos de variações positivas. Com os resultados, no acumulado da crise, o setor industrial agora apresenta 9,8% de crescimento, seguido pelo atacado (+5,0%) e pelo varejo, que tem queda de -1,2%.

O desempenho da arrecadação de ICMS, por sua vez, segue positivo. A primeira quinzena de março de 2021 totalizou R$ 2,15 bilhões arrecadados, valor 7,6% superior ao registrado em 2020. Os valores de arrecadação do mês se referem em grande parte a fatos geradores do mês anterior. Com o montante, a arrecadação acumulada em 2021 é de R$ 9,2 bilhões, um aumento de 3,2% (R$ 362 milhões) frente ao período equivalente anterior. Na visão dos últimos 12 meses, a arrecadação total é de R$ 37,1 bilhões – uma queda de R$ 1,1 bilhão frente aos 12 meses imediatamente anteriores (-2,9%). Confira o Relatório completo clicando aqui.

Para acessar o Receita Dados e conferir informações diárias e em tempo real sobre arrecadação, documentos eletrônicos, combustíveis, entre outros, clique aqui.

Fonte: Receita Estadual do RS

Parabéns aos formandos do mês de março

O CRCRS cumprimenta os novos profissionais da contabilidade graduados neste mês de março. Como forma de valorizar a trajetória acadêmica, o Conselho confere Certificado de Aluno-Destaque aos formandos que alcançaram as maiores médias em seus cursos.

No dia 5 de março, ocorreu a cerimônia de colação de grau da FADERGS, em Porto Alegre, prestigiada pelo vice-presidente de Gestão do CRCRS, Celso Luft. Parabéns especiais à aluna-destaque Josiane Santana de Castro, que alcanço a maior média do Curso de Ciências Contábeis e também da faculdade.

Vice-presidente Celso Luft prestigia formatura da FADERGS, com aluna-destaque Josiane Santana de Castro | Fotos: Portho Sul

Solenidade de formatura da FADERGS, em 5 de março

Em 18 de março,  na solenidade virtual de formatura da Urcamp, em Bagé, a Delegada Honorária e conselheira do CRCRS Rose Pinheiro representou a presidente AnaTércia que endereçou uma carta aos formandos. Na oportunidade, a Delegada Honorária também entregou o Certificado de Aluna-Destaque à acadêmica Ana Paula Oliveira Machado, que alcançou a maior média no curso.

Delegada Honorária e conselheira do CRCRS Rose Pinheiro leu carta da presidente Ana Tércia, endereçada aos formandos, na solenidade do formatura de Ciências Contábeis, da Urcamp, Bagé

 

Primeira edição de 2021 de Lendas da Contabilidade homenageia o professor Dr. Ernani Ott

A quarta edição do Lendas da Contabilidade e a primeira de 2021 homenageia o contador Ernani Ott, que, no próximo sábado – 20 de março, vai compartilhar um pouco da vasta bagagem adquirida no caminho trilhado dentro da Contabilidade.
Ernani é Doutor em Ciências Contábeis pela Universidade de Deusto, Espanha (1998); professor titular da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, desde 1969 até hoje; membro da Acadêmica Brasileira de Ciências Contábeis e da Academia de Ciências Contábeis do Rio Grande do Sul, entre muitas outras atividades.
Uma trajetória inspiradora e de muito aprendizado para todos!
Para assistir, basta acessar a TV CRCRS no Youtube.
https://www.youtube.com/watch?v=ibvmQc2lEYg

Mês da mulher: a habilidade das contadoras para vencer os desafios da pandemia

A pandemia da Covid-19 mudou os hábitos e as rotinas da população mundial. Ao mesmo tempo em que as lideranças globais buscavam soluções para as crises na saúde e na economia, homens e mulheres precisaram se adaptar à nova forma de viver. A vida do trabalhador, rapidamente, foi reprogramada e as casas de muitos profissionais transformaram-se em escritórios.

Nesse cenário, que surgiu a partir da disseminação do coronavírus, home office passou a ser uma expressão conhecida, principalmente por aqueles que precisaram desenvolver uma nova mentalidade de trabalho em um curto espaço de tempo.

Durante toda a pandemia, os profissionais da contabilidade não deixaram de trabalhar em momento algum. O distanciamento social e a limitação no contato social, tão necessários para se conter a doença, tornaram as atividades desses profissionais mais difíceis de serem realizadas. Contudo, as adversidades foram dribladas e os contadores, mais uma vez, provaram sua essencialidade. Isso porque estiveram ao lado do Governo contribuindo para que as inúmeras normas, publicadas com a finalidade de se conter os impactos econômicos no país, fossem aplicadas, de acordo com a necessidade de seus clientes.

As contadoras e o home office

Ainda que a mentalidade social tenha avançado nas últimas décadas, a mulher continua a carregar a bagagem cultural de ser, em muitos casos, a principal responsável pelos cuidados com a família e com a casa. Assim, mesmo que também tenha um trabalho fora de casa, acumula vários turnos de atividades.

No cenário da pandemia, as contadoras mostraram que são essenciais para o mercado de trabalho e para as suas residências e famílias. Em um período, assessoravam clientes fazendo planejamento e buscando aplicar as medidas de prevenção do emprego e da renda; nos outros, eram donas de casa, mães, esposas e exerciam tantas outras funções.

O impacto das mudanças e a certeza da força da mulher e de sua capacidade de adaptação foram algumas das percepções relatadas por essas profissionais. A contadora e mãe de dois filhos, Anabéli Perera, do Rio Grande do Sul (RS), conta como foi essa experiência. “O ano de 2020 foi marcado pelas mudanças. Mudanças de rotinas, mudanças de conceitos, mudanças de espaços. Com certeza, foi um ano que desafiou todas as pessoas do planeta e não foi diferente nas nossas casas. Conciliar trabalho em home office com crianças pequenas, como é o meu caso, foi desafiador. Foi necessário auxílio, para ter um espaço sem interrupções, durante algum tempo do dia, tanto para o trabalho como para acompanhar as aulas em homeschooling”, conta.

Apesar dos desafios, a contadora celebra os ganhos dessa nova realidade, que inclui o protagonismo das crianças e da família. “Tive a felicidade de observar que, em 2020, recebemos crianças de passagem nas telas dos notebooks ou ao fundo de ligações, algumas pedindo leite, outras curiosas para ver o que a mamãe estava fazendo. Acredito que o principal aprendizado foi perceber que parece que tudo mudou, mas, na verdade, nada essencial mudou. Continuamos atendendo aos clientes, continuamos a realizar o trabalho com qualidade e dedicação, continuamos a acompanhar nossos filhos se desenvolvendo e aprendendo todos os dias, seja nas aulas ou nas descobertas da infância. Continuamos a conviver com a família, mesmo que por chamadas de vídeos e festas através do computador”, conclui.

A capacidade feminina de gerar vidas também precisou ser ressignificada no ano em que o distanciamento social prevaleceu e as relações sociais se transformaram. A contadora e mãe de três filhos, Luciana Alencar, da Paraíba (PB), mostra a complexidade do feminino, demonstrando que, por trás das inúmeras atividades profissionais, há um grande compromisso com a família. “A adaptação com o nascimento da minha filha, o puerpério, gêmeos ainda pequenos e tendo que trabalhar remotamente foram exemplos de desafios que me tornaram mais forte, além de ter aprendido que temos, como mulheres, que ajudar umas às outras com empatia e sororidade. A pandemia me ensinou, principalmente, a enfrentar situações que antes eu achava não conseguir. O novo chega a assustar, nos causa pânico, não sou uma supermulher, mas aprendi a lidar com tudo isso, usando essas mudanças ao meu favor, especialmente a de passar mais tempo ao lado dos meus filhos, o amor pela minha família sempre me tornou resiliente”, pontua.

A contabilidade exige um perfil profissional que envolve foco em resultado, adaptabilidade, visão analítica e agilidade. As contadoras Deborah Barros, de Pernambuco (PB), e Katiucya Manfredini, do Acre (AC), demonstram que as características dos profissionais da contabilidade podem contribuir para vencer as incertezas de uma crise.

Deborah Barros, mãe de dois filhos, explica como foi sua estratégia de adaptação em sua empresa, que incluiu flexibilidade, diálogo, investimento e, sem dúvida, apoio para suas equipes, formadas, em sua maioria, por mulheres. “A adaptação demandou bastante esforço, não apenas para minha família, mas também para os quase 80 colaboradores, que passaram a exercer suas atividades em home office. Como mais de 90% das minhas equipes são formadas por mulheres e a maioria delas é responsável pelos cuidados com a casa e com os filhos, unimos forças nesse desafio e tomamos algumas medidas que foram essenciais”, esclarece.

Barros descreveu as ações que adotou. As iniciativas podem servir de modelo para homens e mulheres, veja a seguir:

“I- Estudamos e debatemos sobre os melhores formatos do trabalho remoto, inspirando-nos em empresas que já trabalhavam nessa modalidade.

II- Investimos em tecnologia e infraestrutura (notebooks, internet, segurança da informação e mobílias ergonômicas para os colaboradores que não possuíam).

III- Fornecemos equipamentos de proteção individual (máscaras e álcool 70%) e ajuda de custo para energia e internet.

IV- Implementamos novos métodos de acompanhamento de tarefas (para gerenciamento a distância).

V- Desenvolvemos novos formatos de comunicação e atendimento ao cliente.

VI- Realizamos muitos treinamentos nas áreas de segurança do trabalho (para uma correta organização no home office e cuidados diante da pandemia); saúde (para estimular hábitos saudáveis e proteger a saúde física e mental); gestão do tempo e produtividade (visando desenvolver rotinas confortáveis que atendessem às demandas pessoais e profissionais com qualidade); e na área de atendimento (para que o cliente se sentisse próximo e acolhido mesmo distantes fisicamente).”

Já Katiucya Manfredini, mãe de dois filhos, que disse considerar a resiliência o maior aprendizado desse período, desenvolveu estratégias para trabalhar da melhor maneira possível em sua casa. Seguindo seu perfil de contadora, a profissional fez uma análise de seu ambiente e desenvolveu soluções que se adaptassem à sua nova realidade.  “O maior desafio na adaptação ao home office foi a relação com as crianças porque a presença materna contribui para o aconchego deles e, a todo momento, eles queriam chamar a minha atenção. No início, escutava o dia inteiro: ‘mãe cadê isso, mãe tô com fome, mãe vem ver o que fiz, mãe cadê meu carregador, mãe estou com dúvida…’”, relata.

Manfredini fala que, percebendo sua improdutividade mesmo se mantendo ocupada o dia inteiro, adotou algumas medidas que ela diz que foram extremamente importantes. Veja a seguir as estratégias da contadora:

“I- Criei meu escritório em casa em um ambiente fechado e mais afastado do ambiente das crianças.

II- Mostrei às crianças que, enquanto a mamãe mantivesse a porta do ‘escritório’ fechada, era por que ela estava trabalhando.

III- Montei meu quadro de horários em casa, uma espécie de ponto. Isso me deixou mais focada e produtiva e as crianças respeitavam aquele momento e não chamavam a mamãe.

IV- Nunca deixei de me arrumar para trabalhar, mesmo estando em casa. Ajudou bastante na autoestima.”

Como flexibilidade e adaptação constante às mudanças são características dos profissionais da contabilidade, também é possível encontrar exemplos de mulheres que já estavam ambientadas com a rotina de trabalho em casa. É o caso da contadora do Amapá (AP) e mãe de dois filhos, Lucélia Quaresma, que afirma se identificar com as atividades a distância. “Eu já gostava de trabalhar em home office mesmo sem imaginar uma pandemia, pois assumi alguns compromissos, como ser gerente contábil, em 2016, de uma grande empresa. Isso fez eu me afastar do escritório, pois sou empresária contábil, e, então, tenho que, além de fazer contabilidade, trazer clientes, divulgar minha responsabilidade técnica e nosso trabalho.  Assim, tive que começar a trabalhar pela internet, em home office”, destacou.

A capacidade de gerenciar da mulher

Há muitas histórias de mulheres que, em entrevistas de emprego, foram questionadas se tinham maridos, filhos e as idades das crianças. Mesmo com certa evolução nos últimos anos, a sociedade ainda carrega alguns pensamentos e posicionamentos preconceituosos em relação ao feminino. Os salários das mulheres, em muitos locais, ainda são menores do que aqueles recebidos pelos homens. Elas também ocupam menos cargos de chefia e de liderança.

No entanto, a capacidade de conciliar o trabalho, as atividades de casa, a educação dos filhos e os cuidados gerais da família demonstram que, na realidade, a mulher é uma figura estratégica no mercado de trabalho. “Cada vez mais, as competências comportamentais, sociais e organizacionais estão tornando-se essenciais para o mercado de trabalho. A necessidade de a mulher gerenciar as inúmeras atividades nos seus variados papéis fez com que ela desenvolvesse ricas competências aplicáveis a qualquer situação ou segmento de negócio, tais como: adaptabilidade, autocontrole, análise crítica, visão holística, flexibilidade, resiliência, proatividade, criatividade, prudência, organização, capacidade de resolução de conflitos, comprometimento, persuasão, gerenciamento do tempo e de pessoas, comunicação assertiva, entre tantas outras. Tais habilidades tornam as mulheres mais bem preparadas não apenas para o mercado de trabalho, mas para a vida”, contextualiza Deborah Barros.

Já Lucélia Quaresma lembra da realidade de tantas mulheres que lutam ao lado de suas famílias. “Sempre olho uma ilustração de uma mulher que lava, passa roupas, uma vozinha, que cuida dos filhos toda descabelada, mas, ainda assim, consegue lutar ao lado do marido para trabalhar, vencer e conseguir ganhar dinheiro para viver bem. Gosto de me destacar onde vou e chamo de responsabilidade técnica mostrar que somos importantes como contadoras, então, imagina como mulheres”, reflete.

A contadora Luciana Alencar ressalta que a responsabilidade de gerenciar diversos compromissos é um diferencial para as mulheres, tornando-as ainda mais capazes para a execução de suas tarefas. “Ao realizar multitarefas, a mulher se torna, a cada dia, mais preparada para desempenhar suas funções no mercado de trabalho, uma vez que nos tornamos resilientes diante das demandas que o mercado nos impõe, ou seja, a importância de gerir e organizar o tempo, além do planejamento da semana e da rotina da casa e dos filhos me ajudam a prever os espaços de tempo livre e encaixar as atividades, seja de trabalho, seja familiar”, afirma.

Anabéli Perera concorda com Alencar e demonstra que ser, ao mesmo tempo, mãe, esposa, filha, trabalhadora e dona de casa não é motivo para discriminação. Na verdade, essa capacidade de ser tantas, no mesmo dia, é o que torna as mulheres, de todas as partes do Brasil, grandes potências no mundo dos negócios. “Já sabemos que as mulheres têm a capacidade de ser multifuncional, conseguem pensar em várias coisas ao mesmo tempo, e, por muitas vezes, fazer várias coisas juntas. E dá certo. O gerenciamento do trabalho, da casa e dos cuidados com filhos faz essa capacidade expandir, conforme os elementos são adicionados na vida da mulher. Podemos observar que essa qualidade é muito utilizada no trabalho, por meio da organização das atividades a serem desempenhas, da capacidade de absorver novas demandas ou demandas emergenciais com mais adaptabilidade e naturalidade”, argumenta.

Novos espaços têm sido conquistados pelas mulheres. Aos poucos, a sociedade vem descobrindo que não existe tarefa de homem e de mulher. Todos podem estar onde desejarem, em todas as profissões e cargos que sonharem. Contudo, alguns obstáculos ainda precisam ser superados. “Hoje temos representatividade na política, mulheres que assumiram grandes funções no mercado de trabalho, além das que estão liderando grandes empresas, universidades e, até mesmo, cidades onde antes predominavam o terno e a gravata. Porém, ao assumir esses papéis, nós mulheres acumulamos algumas funções domésticas e, infelizmente, ainda enfrentamos questões de violência contra a mulher, embora a Lei Maria da Penha signifique um avanço na luta pela defesa e integridade da mulher brasileira”, ressalta Katiucya Manfredini.

A contadora conclui ressaltando o protagonismo feminino. “Sobre o nosso papel na sociedade, posso afirmar que hoje nós mulheres temos mais autonomia, liberdade de expressão, bem como liberdade de ideias e de posicionamentos. Em outras palavras, deixamos de ser coadjuvantes para assumir um lugar diferente na sociedade, com novas possibilidades e responsabilidades, dando voz ativa ao senso crítico. Deixamos de acreditar numa inferioridade natural diante da figura masculina nos mais diferentes âmbitos da vida social e profissional.”

Fonte: Comunicação CFC

Representantes do CRCRS são reconduzidos como conselheiros do TART

O vice-presidente de Desenvolvimento Profissional do CRCRS, Márcio Schuch Silveira, e o conselheiro Luís Fernando de Azambuja, foram reconduzidos, em 19 de março, como conselheiros, respectivamente, titular e suplente, do Tribunal Administrativo de Recursos Tributários do Município (TART) – órgão competente para decidir administrativamente, em segunda instância, sobre as questões de natureza tributária, envolvendo o município de Porto Alegre e seus contribuintes. A cerimônia virtual de posse foi conduzida pelo presidente do TART, Lauro Marino Wollmann, com a participação do secretário municipal da Fazenda de Porto Alegre, Rodrigo Fantinel.

Na oportunidade, representando a presidente do CRCRS, Ana Tércia L. Rodrigues, o vice-presidente Márcio Schuch Silveira destacou o relevante papel exercido pelo Tribunal para o desenvolvimento da sociedade, por meio do julgamento imparcial das questões tributárias.

Compõe a nominata de empossados:

1ª Câmara

Representantes do Erário:

1)André Fernando Butzen – titular

Felipe Costa Ramos-Suplente

2)Flávio Cardozo de Abreu-Titular

Teddy Biassusi-Suplente

Defensoria da Fazenda da 1ª Câmara

Alex Hertzog Rodrigues – Titular

Representantes do CRA-RS

Fernando Antonio Viana Imenes – titular

Floriano Paz Aquino-suplente

Representantes do CRCRS

Márcio Schuch Silveira – titular

Luis Fernando Ferreira de Azambuja-Suplente

2ª Câmara

Representantes do Erário:

1)Vinicius Fabian Vardanega Simon- titular

Edson Wohlert – Suplente

2)Ricardo Hoffmann Muñoz-Titular

Adriana Carvalho Silva Santos – Suplente

Representante do CREA-RS

Luis Antonio Marcello Senger – titular

Gerson Sonaglio-suplente

As decisões do TART são publicadas no site  http://www2.portoalegre.rs.gov.br/tartsmf/default.php

Receita Federal presta atendimento a distância

O contribuinte que precisa de serviços da Receita Federal pode ser atendido a distância, pela internet, não sendo necessário se deslocar a uma unidade de atendimento. Ganhe qualidade de vida, promova a sustentabilidade ambiental e proteja-se da covid-19.

A Receita disponibiliza diversos canais de atendimento pela internet. Para saber como ser atendido, o contribuinte pode acessar a lista de serviços no site da Instituição, no endereço www.gov.br/receitafederal, clicando no ícone de menu , seguido da opção “Serviços”. A lista informa, para cada serviço, sua descrição, a quem se destina, como proceder e os canais de atendimento para cada etapa, desde a solicitação ao resultado.

lista serviços.png

Os principais canais de atendimento são:

Site da Receita Federal: plataforma com diversos serviços disponíveis que dispensam o uso de login e senha, como pedido de inscrição e alteração de CPF para pessoas com título de eleitor; emissão de certidão negativa; emissão de DARF e GPS; e consulta a restituição do imposto de renda.

Portal e-CAC: Centro Virtual de Atendimento para que o próprio contribuinte possa obter diversos serviços, tais como regularizar pendências, consultar dívidas, emitir DARF para pagar impostos, parcelar, compensar, solicitar restituição etc. Para acessar o e-CAC é necessário usar código de acesso ou autenticação pela conta Gov.Br.

Dossiê Digital de Atendimento: um tipo de processo digital, disponível no Portal e-CAC, pelo qual podem ser enviados documentos à Receita Federal para se obter diversos serviços, como entrega de DBE para inscrever ou atualizar um CNPJ, solicitação de liberação de certidão negativa, retificação de DARF ou GPS, apresentação de procuração para acessar o e-CAC, entre outros.

Atendimento por e-mail: prestação de serviços básicos para o cidadão, que não envolva sigilo fiscal e que não estejam disponíveis por outros canais, como conclusão da inscrição ou atualização do CPF iniciadas na internet, nos cartórios, nos Correios ou em bancos conveniados. Cada Estado possui um endereço de e-mail próprio, veja a seguir:

Região Estado Endereço
1ª Região DF, GO, MT, MS e TO atendimentorfb.01@rfb.gov.br
2ª Região AC, AM, AP, PA, RO e RR atendimentorfb.02@rfb.gov.br
3ª Região CE, MA e PI atendimentorfb.03@rfb.gov.br
4ª Região AL, PB, PE e RN atendimentorfb.04@rfb.gov.br
5ª Região BA e SE atendimentorfb.05@rfb.gov.br
6ª Região MG atendimentorfb.06@rfb.gov.br
7ª Região ES e RJ atendimentorfb.07@rfb.gov.br
8ª Região SP atendimentorfb.08@rfb.gov.br
9ª Região PR e SC atendimentorfb.09@rfb.gov.br
10ª Região RS atendimentorfb.10@rfb.gov.br

Chat RFB: atendimento interativo disponível no Portal e-CAC para regularização de débitos e cadastramento de processos que não possam ser abertos diretamente pelo e-CAC, por exemplo.

Fale Conosco: atendimento via e-mail para esclarecimento de dúvidas gerais sobre declarações, legislação ou serviços, desde que não envolva situação fiscal específica ou outras questões de sigilo fiscal.

Para mais informações sobre os canais de atendimento da Receita Federal, acesse: https://www.gov.br/receitafederal/pt-br/canais_atendimento

Fonte: Receita Federal do Barsil

CRCRS apoia Movimento Unidos pela Vacina. Saiba como tudo começou!

 

Objetivo desta mobilização nacional é contribuir de diferentes formas para que todos os brasileiros sejam vacinados até setembro de 2021. Sim, isso é possível e é com esse propósito que representantes da sociedade civil, liderados pela empresária Luiza Helena Trajano, presidente do Grupo Mulheres do Brasil, e suas 75 mil voluntárias, potencializaram suas forças e vozes unindo-se a entidades como Instituto de Desenvolvimento do Varejo (IDV), Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) e Federação Brasileira de Bancos (Febraban), entre outras instituições, lançando o movimento Unidos pela Vacina.
Segundo Luiza Helena Trajano, a ideia surgiu no final do ano passado, com a
campanha de conscientização Vacina para Todos, do Grupo Mulheres do Brasil.

“A partir dali, tentamos entender como poderíamos ajudar e concluímos que era preciso partir para uma ação efetiva. Foi quando esse movimento passou por uma  transformação, trouxemos mais parceiros, empresários e executivos de diferentes setores e organizações não governamentais e surgiu o Unidos pela Vacina”, explica a empresária.
Apartidário, o movimento pretende contribuir em diversas frentes de trabalho que farão interfaces com o Governo Federal, com os Estados, secretarias de saúde, municípios e meios de comunicação. O objetivo é que não haja entraves para que a vacina chegue o mais rápido possível a todos os cantos do Brasil. Com uma agenda detalhada e bem distribuída de ações, cerca de 380 pessoas, entre empresários, representantes de entidades, de comunidades e lideranças do Grupo Mulheres do Brasil estão trabalhando coordenadamente e engajados.
Marcelo Silva, presidente do IDV, aponta como exemplo um grupo que já está fazendo a interlocução com representantes da Casa Civil, Ministério da Saúde e suas secretarias.
“A ideia é que esses representantes listem as necessidades e apontem de que forma o Unidos pela Vacina pode contribuir”, explica Marcelo Silva.
“Não vale ser espectador e esperar que o outro resolva todos os problemas. As pessoas querem colaborar, querem se engajar na busca do bem comum e muitos não sabem como fazer isso. Os empresários, todos que convidamos se engajaram com entusiasmo, dedicando o seu tempo para fazer acontecer”, diz Betania Tanure, fundadora da BTA, vice-presidente do Conselho Estatutário do Grupo Mulheres do Brasil, membro do Conselho de Administração do Magazine Luiza e da MRV.
O movimento já tem ações concretas. Há um subgrupo que faz interface com os estados, outro focado nos municípios e secretarias de saúde municipais mapeando os possíveis pontos que exigem atenção e, assim, o movimento ajudará fazer as pontes necessárias.
“Já estamos fazendo pilotos na cidade do Rio de Janeiro e em Nova Lima (Minas Gerais) de forma articulada com o subgrupo que tem como foco a cadeia produtiva, que inclui insumos, a vacina propriamente dita, armazenamento, logística e o processo de vacinação”, explica Betania.
Esse subgrupo é liderado por Walter Schalka, CEO da Suzano, e Paulo Kakinoff presidente da Gol, e conta com a participação de diversos empresários, entre eles Pablo De Si, presidente da VW, Tito Martins, Presidente da Nexa, Romeu Cortes Domingues, presidente do Conselho da Dasa, João Carlos Brega, presidente da Whirlpool, Cristina Potomati, copresidente da Lukscolor, e Gustavo Estrella, presidente da CPFL.
Transversal a esses subgrupos há uma frente de Comunicação liderada por Eduardo Sirotsky Melzer, fundador da gestora EB Capital, tendo como estrategistas Nizan Guanaes e Márcio Santoro, da agência África, e o apoio de empresas como Natura e Energisa, entre tantas outras, por meio de seus presidentes e times “Graças aos nossos cientistas, ao SUS, nós temos as vacinas. E agora, nós vamos trabalhar para que nenhum entrave, de qualquer natureza, impeça que as vacinas cheguem a qualquer ponto do país, seja nos grandes centros, seja no interior mais remoto, nas comunidades ou populações ribeirinhas. Vamos, juntos, cumprir essa meta de ter vacinas para todos os brasileiros até setembro deste ano”, conclui Luiza Helena Trajano.

Fonte: àsClaras Comunicação
Susana de Souza – asclarascomunica@gmail.com