Luiz Mateus Grimm, uma lenda da contabilidade, exemplo de dedicação, lealdade e competência

A sexta edição da série Lendas da Contabilidade apresentou, na manhã do sábado, 19 de junho, um personagem que se destacou pela dedicação, lealdade e competência, em especial, nos bastidores da profissão contábil: Luiz Mateus Grimm, que atuou 39 anos no CRCRS, 32 dos quais, como diretor Executivo; prosseguiu no CFC, assessorando presidentes; também foi membro de comissões organizadoras de congressos brasileiros de contabilidade; além de integrar diversas comissões de estudos e contribuir para a edição de manuais, como o de Fiscalização, o de Registro e de Cobrança de Débitos; dentre outras inúmeras atividades.

Com transmissão pela TV CRCRS, no YouTube, o programa contou com a apresentação das presidentes do CRCRS, Ana Tércia L. Rodrigues, e da AIC e Abracicon, Maria Clara Bugarim. No chat do evento, os comentários do público indicam a medida do respeito e do carinho conquistados ao longo do exercício profissional, tanto por parte dos líderes quanto dos colaboradores, com os quais essa “lenda” trabalhou, no Sistema CFC/CRCs.

Para a presidente da AIC, Maria Clara Bugarim, a presença de Luiz Mateus Grimm, nesta edição do Lendas da Contabilidade, é uma grande homenagem a um nome que representa um time comprometido de colaboradores do Sistema CFC/CRCs.

A presidente Ana Tércia lembra que sua formação profissional se deu no âmbito do sistema CFC/CRCs, a partir de 1991, quando ingressou no CRCRS, tendo sido subordinada ao então diretor Executivo Luiz Mateus Grimm, durante uma década. A posição proporcionou à Ana Tércia o privilégio de acompanhar a trajetória da “lenda” com muita proximidade e constatar sua competência e proatividade em prol do sistema contábil brasileiro – qualidades expressadas em uma das citações de Grimm, que até hoje repercutem entre os profissionais: “Servir à classe sem dela se servir”.

Como tudo começou

Sem conhecer o CRCRS, Luiz Mateus Grimm ingressou no posto de Fiscal, por meio de concurso público, em 1973, na gestão do presidente José Silva de Araújo. Logo de início, foi convidado a participar de um projeto bastante abrangente para expandir o Conselho por todo o Estado. Na época, o CRCRS não dispunha de veículo próprio, porém Grimm solucionou a questão tomando, emprestado do irmão, um carro, com o qual viajou por quase todo o interior do Rio Grande do Sul.

Mas, nem só de episódios pitorescos foi escrita a história do CRCRS, lembra Grimm. Era um período exceção e o Regional não escapou às intervenções, sendo presidido por militares, em duas ocasiões: de março a agosto de 1964, quando o Conselho Diretor e o Plenário foram afastados, e, mais uma vez, em 1978. Internamente, também foi um período tumultuado, no qual se sucederam quatro diretores Executivos, somente entre 1973 e 1979.

Em 1980, Grimm foi “comunicado”, de modo informal, pelo presidente Olivio Koliver, que havia sido realizada uma enquete entre os funcionários e uma consulta ao Plenário, sendo que ambos aprovaram a sua nomeação ao cargo de diretor Executivo. Não havia possibilidade de recusa.

A “lenda” atribui suas quase quatro décadas de sucesso na função ao respaldo que sempre teve dos funcionários e à postura de deixar sempre o cargo à disposição dos sucessivos presidentes, para que ficassem à vontade para ter o diretor que achassem mais adequado.

A história do Sistema CFC/CRCs

Testemunha de muitos momentos marcantes da história do Sistema CFC/CRCs, Grimm destaca alguns episódios que contribuíram para o crescimento do prestígio da profissão contábil, nos últimos 45 anos. Conta que, a partir de certo momento, a atuação político-institucional foi integrada às atividades do Sistema. Assim, por exemplo, na gestão do presidente Luiz Carlos Gatti, foi realizada uma visita ao presidente da República, Fernando Collor de Mello, para a entrega da primeira norma sobre auditoria independente. Mais adiante, o presidente José Martonio Alves Coelho estreitou relações com o vice-presidente da República, José de Alencar; o presidente Luiz Inácio Lula da Silva esteve presente a um Congresso Brasileiro de Contabilidade, realizado em Gramado; além das ocasiões em que deputados e senadores foram trazidos à sede do CFC e, assim, tiveram oportunidade de conhecer a profissão.

Grimm também considerou relevante o acompanhamento de projetos de interesse da classe contábil, no Congresso Nacional. Um deles, com intenso trabalho de líderes da contabilidade, entre eles os presidentes do CFC e dos CRCs, resultou no importante  travamento de um projeto que pretendia direcionar atribuições da profissão contábil para outra profissão.

Outras conquistas lembradas foram a legalização da cobrança da anuidade e a alteração de pontos do Decreto 9.295/1946, que assegurou, dentre outros avanços, o de aumentar o número de representantes no Plenário do Conselho, permitindo, dessa forma, que cada regional passasse a ter a sua representação no CFC.

Educação Continuada

Outra evolução, recorda Grimm, foi a Educação Profissional Continuada no CRCRS, cujo embrião surgiu em 1986, com o projeto “Vamos Estudar Juntos”, desenvolvido na gestão do presidente Luiz Carlos Gatti, que implementou a política de primeiro ensinar, para depois fiscalizar e, se for o caso, punir.

Nesse mesmo período, iniciaram-se também as convenções de Contabilidade do RS, hoje evento consagrado, que alcança, neste ano, a décima-oitava edição.

Participações especiais

Na segunda parte do programa, duas participações especiais surpreenderam: os presidentes do CFC, Zulmir Breda, atual, e José Martonio Alves Coelho (2014-2017) entraram ao vivo no programa.

Emocionado, o presidente Zulmir Breda teceu muitos elogios e homenageou Grimm, atribuindo-lhe grande parte da responsabilidade pelo amor que ele, Zulmir, cultiva pela profissão e pelo Sistema CFC/CRCs. Breda também aproveitou a oportunidade para retomar uma antiga provocação, para que Grimm escreva um livro sobre a história do sistema contábil brasileiro e da profissão no Brasil. A “lenda” admite a possibilidade!

O presidente José Martonio Alves Coelho fez questão prestar sua homenagem, enaltecendo a fidelidade do convidado, a quem qualificou como um defensor dos dirigentes do Sistema CFC/CRCs, alguém que tem sempre colaborado com a classe contábil. Lembrou, ainda, da participação da “lenda” na elaboração do livro “75 anos de Criação dos Conselhos de Contabilidade – Uma História Brilhante”, editado em maio último. De acordo com Martonio, a contribuição de Grimm foi valiosa  para a qualidade da obra.

Esse episódio imperdível da série Lendas da Contabilidade está disponível na TV CRCRS, YouTube. Confira!