O mundo ideal é que todos inovem

Criar e inovar. Há alguns anos essas palavras têm dominado as conversas dos mais diversos tipos de empreendedores. No cenário contábil não seria diferente. A inovação vem ganhando força nos últimos anos, principalmente nas grandes organizações contábeis, em que os líderes precisam provocar uma verdadeira transformação, na forma de pensar, no clima organizacional. E essa quebra de paradigmas, conhecida como mindset, foi debatida na palestra O novo mindset da Inovação ocorrida no final da manhã dessa quarta-feira durante a 34ª CIC e 18ª CCRS.

“O mundo ideal é que todos inovem”, segundo o presidente da Alterdata Software e palestrante no evento, Ladmir Carvalho, todos, em qualquer organização, precisam inovar. “Investir em tecnologia, em software é importante, mas na minha concepção devemos ir muito mais além, ou seja, precisamos de lideranças que motivem e criem  ambientes certos para que  tudo ocorra, da melhor maneira possível, dentro do aspecto inovador.

Mas o que seria o mindset de inovação? O termo em inglês se refere a um modelo mental, o que proporciona uma forma de pensar e enxergar as coisas e buscar novas soluções para os problemas existentes.

No cenário contábil, o palestrante esclarece que  os profissionais são muito técnicos e  é preciso entender o corpo funcional (pessoas) e ter planejamento. Segundo Ladmir, para o processo inovador é recomendável criar dois ambientes: um mais leve e outro mais forte. Leve, para que todos os colaboradores se sintam à vontade e que tenham orgulho de pertencer à organização; e forte para traçar metas e atingir objetivos traçados a curto prazo. “O empoderamento aos colaboradores é importante para que essas pessoas tenham coragem para questionar o líder.

É importante destacar que as empresas terão desafios no processo  de inovação, no entanto uma estratégia inovadora é essencial para que empresas obtenham vantagem competitiva. “O colaborador empoderado se sente motivado a participar e a questionar grandes debates que envolvem o crescimento e desenvolvimento nas organizações”, pontua o palestrante.

Por Fabrício Santos – Comunicação CFC