Lendas da Contabilidade – Edição especial com Antônio Carlos Nasi: a história da Contabilidade contada por um de seus protagonistas

Na manhã desta quinta-feira, os participantes da 34ª CIC e 18ª CCRS embarcaram em uma viagem no tempo, conduzidos pela lenda Antônio Carlos Nasi, testemunha e protagonista de momentos que escreveram a história da Contabilidade. Com a experiência de quem atua há 60 anos na profissão, 54 dos quais como empresário contábil no ramo de auditoria, o detentor da Medalha do Mérito Contábil João Lyra, honraria máxima concedida a integrantes da classe, brindou os convencionais com relatos sobre suas vivências, em um bate-papo conduzido pelo presidente do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), Zulmir Breda, tendo como debatedoras as presidentes da Associação Interamericana de Contabilidade (AIC), Maria Clara Bugarim, e do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul (CRCRS), Ana Tércia L. Rodrigues.

Antônio Carlos Nasi, Medalha João Lyra, na edição especial do Lendas da Contabilidade, com os presidentes do CFC, Zulmir Breda, da CIC, Maria Clara Bugarim, e do CRCRS, Ana Tércia L. Rodrigues | Foto: João Mattos / Imprensa CIC_CCRS

Ao apresentar a “lenda” Antônio Carlos Nasi, o presidente Zulmir Breda falou do orgulho de tê-lo como colega e destacou sua reputação ilibada, lembrando sua atuação no final do anos 1980, no CFC, no qual contribuiu para a edição dos Princípios Fundamentais da Contabilidade e das Normas Brasileiras de Contabilidade. Também foi fundador do Instituto de Auditores Independentes do Brasil (Ibracon), a partir da união do  Instituto dos Contadores Públicos do Brasil (ICPB) com o Instituto Brasileiro de Auditores Independentes (Ibai). No CRCRS, foi vice-presidente de Desenvolvimento Profissional (1994-1995) e Controle Interno (1996-1997), nas duas gestões de Olivio Koliver, de quem foi aluno na Universidade.

Dono de um vasto currículo, Nasi se disse honrado com o convite para participar dessa sétima edição do Lendas da Contabilidade – a primeira em formato presencial desde que o programa foi lançado, em setembro de 2020, pelo CRCRS em parceria com a Abracicon. Lembrou sua primeira participação na Conferência Interamericana de Contabilidade, em Porto Rico, no ano de 1974, quando ainda iniciava a trajetória profissional que o levaria à presidência da AIC, de 1999 a 2001, e à construção de um legado que muito contribuiu e ainda contribui com a profissão contábil.

O adolescente que um dia sonhou ser piloto da Varig, importante companhia aérea da época, acabou seguindo a orientação do pai e cursando técnico em contabilidade, no Colégio Rosário, tradicional escola da rede particular, em Porto Alegre. O estágio em um escritório de advogacia consolidou o gosto pela profissão contábil e, em vez de ceder aos apelos dos patrões e cursar Direito, o levou a se graduar Ciências Contábeis pela PUCRS, onde hoje se realizam a CIC e a CCRS. “Sou um filho da PUC”, conta bem-humorado, recordando que o campus e seu entorno eram muito diferentes, com terrenos vazios e sem vias pavimentadas.

Emocionada, a presidente Ana Tércia observou a admiração dedicada pela classe contábil a personagens que, como Nasi, são exemplos. “Hoje a sociedade está carente de líderes de verdade como as ‘lendas’ que já abrilhantaram nosso programa. E a série tem esse papel, de resgatar a história da Contabilidade e inspirar os profissionais,” afirmou a presidente do CRCRS.

A experiência de Nasi com as entidades começou ainda na graduação, em 1966, período no qual havia duas chapas concorrendo ao DCE, polarizadas em direita e esquerda. Foi quando o reitor à época, Ir. José Otão, o convidou para coordenar uma chapa à presidência diretório, como uma terceira via. Em uma negociação, a reitoria concordou em transformar o terreno baldio defronte ao campus, em campo de futebol. Com essa plataforma, Paulo Chanan, aluno do curso de Direito apoiado por Antônio Carlos Nasi, venceu a disputa eleitoral e tornou-se presidente do DCE.

Em 1967, já formado e sem nunca abandonar o exercício da política classista, iniciou sua vida empresarial, fundando, em sociedade com o amigo Arthur Nardon Filho, a Nardon Nasi – Auditores & Consultores, que permanece em atividade, com forte presença no mercado.

Apesar de muito exigido pela profissão e das adversidades, nunca deixou de se dedicar às entidades de classe. Em 1999, por exemplo, não pode estar presente à própria cerimônia de posse como presidente da AIC, em decorrência de um acidente sofrido pelo filho, que ficou mais de 50 dias em coma.

De outro lado, porém, há o reconhecimento por tanta dedicação. A presidente Maria Clara, perguntou sobre o sentimento de ter sido agraciado com a Medalha do Mérito Contábil João Lyra, no ano 2000. Ele relata que estava no escritório quando recebeu a notícia, que foi como o coroamento da profissão, uma grande realização, em especial, porque foi uma decisão unânime dos 27 CRCs, e “ser reconhecido pelos colegas, é um grande legado”, considerou.

Entre os colegas que também trabalharam pelo engrandecimento da classe contábil, rememorou também o nome de Ivan Carlos Gatti que, já no ano de 1984, lançou o lema “Contador: a grande profissão do ano 2000”, uma máxima que, segundo Nasi, o ex-presidente do CRCRS (1986-1989) levou para a vida e que pautou sua atuação como presidente do CFC (1990-1993), onde revolucionou a estrutura do Conselho e da profissão.

Nasi salientou, ainda, seu vínculo com a educação, que foi além da função como professor universitário. Quando era vice-presidente do CRCRS, levou o Conselho a participar da Feira das Profissões, realizada no estacionamento do Shopping Iguatemi. No primeiro ano, constatou que poucos estudantes se interessavam em conhecer a Contabilidade como opção para o vestibular. No segundo ano, produziu um folder, com informações sobre a profissão e o resultado foi a conquista de alunos que ingressaram nos cursos de Ciências Contábeis já no ano seguinte. De lá para cá, a profissão só faz crescer e hoje figura entre as mais atrativas do País.

Lamentando ter deixado o magistério e dizendo-se muito orgulhoso de figurar entre os fundadores do Ibracon, a ‘lenda’ declarou: “eu amo a Contabilidade!” e recomendou a todos que “estudem, estudem, estudem”, fazendo como ele que nunca estudou tanto, principalmente, para aprender sobre tecnologias.

Em resposta, a presidente Ana Tércia reiterou que a CIC e a CCRS não são sobre Contabilidade, mas sobre pessoas, sobre a vida das pessoas, e sentenciou: “Nasi, a Contabilidade também te ama!”

Essa edição especial foi a sétima da série “Lendas da Contabilidade”, lançada em setembro do ano passado, e a primeira em formato presencial. As edições anteriores do Lendas da Contabilidade estão disponíveis na TV CRCRS, no YouTube.

Por Ruvana De Carli
Comunicação CRCRS