CRCRS e Sescon-RS comemoram o Dia Internacional da Mulher com discussão sobre a Síndrome da Impostora

“Empreendendo com Elas – Como Driblar a Síndrome da Impostora” – o tema será debatido em evento comemorativo ao Dia Internacional da Mulher, no próximo 8 de março, às 16h, em formato híbrido. Promovido pelo CRCRS e o Sescon-RS, o encontro ocorrerá, na sede do sindicato, na rua Augusto Severo, 168, e será transmitido pela TV Sescon-RS, no YouTube.
Participam do debate, a Dra. em Planejamento de Carreiras, Daniela Forgiarini; as vice-presidentes do CRCRS, de Gestão, Grace Rodrigues; de Registro, Elaine Strehl;
de Desenvolvimento Profissional, Patricia Arruda; e de Relações com os Profissionais, Tatiani Pedrotti; além das empresárias contábeis Michele Modelski, Karina Missel e Silvia Dahmer.
O termo Síndrome do Impostor se refere a um fenômeno de autossabotagem, cada vez mais comum, em especial, entre mulheres que disputam postos de trabalho em um mundo extremamente competitivo.
As inscrições são gratuitas e devem ser efetuadas até 4 de março, às 13h, por meio do link bit.ly/3IE4SF8 . As vagas são limitadas.

Dia Internacional da Mulher, dia de refletir sobre a condição feminina

Foi no contexto da busca por direitos civis, melhores condições de vida e de trabalho para as mulheres que surgiu, entre o final do século XIX e início do século XX, a ideia de um dia para celebrar as lutas femininas, inicialmente, nos Estados Unidos e na Europa. Em 1975, o 8 de março foi adotado pelas Nações Unidas como Dia Internacional da Mulher e, desde então, em mais de cem países, a data é marcada por ações que comemoram os avanços femininos em diferentes campos e, ao mesmo tempo, promovem o debate sobre questões que entravam esse desenvolvimento.

No Brasil, o debate também segue sendo necessário. Números do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Vargas (FGV IBRE) apontam que, entre 1970 e 2020, o percentual de mulheres entre as pessoas empregadas subiu de 19,8% para 41,7% e a participação feminina entre as ocupações com os cinco maiores salários elevou-se de 8,36% para 53,6%. De outro lado, porém, conforme dados do IBGE, de 2019, a desigualdade salarial entre homens e mulheres que desempenham funções idênticas ou similares é de 22%, em média, podendo alcançar até 38% em cargos gerenciais.

Na área contábil, a participação feminina cresce a cada ano, ocupando mais de 43% dos postos da profissão no País e quase 49%, no RS. Especificamente no CRCRS, elas são 50% do Conselho Diretor, ocupando quatro das vice-presidências: Gestão, Registro, Desenvolvimento Profissional e Relações com os Profissionais.