Em discussão, “Diversidade e inclusão na profissão contábil”

Por meio da Comissão de Estudos Plural e Inclusivo, o CRCRS realizou, em 30 de junho, o webinar “Diversidade e inclusão na profissão contábil”, com as participações de Daisy Christine Hette Eastwood, vice-presidente de Registro do CRCSP, e Juliano Cechinato, integrante da Comissão de Estudos do Terceiro Setor do CRCRS. O evento, moderado pela coordenadora da Comissão Plural e Inclusivo, Cristiane Domingues de Souza, foi certificado e transmitido pela TV CRCRS, no YouTube.

Na abertura, o presidente do CRCRS, Márcio Schuch Silveira apresentou os convidados do programa, ressaltando a importância de os conselhos contarem com comissões e grupos de estudo sobre diversidade e inclusão.

“O título é diversidade e inclusão, mas quando penso nesse assunto, penso em respeito e tolerância, princípios fundamentais do convívio social. O CRCRS, o CRCSP e outros conselhos que contam com comissões e grupos de estudo sobre esse tema têm a percepção de que nossas entidades e nossa profissão precisam estar na vanguarda da dinâmica social. A Contabilidade é uma ciência social que trata das relações humanas. Precisamos discutir esse assunto e aprender sempre mais sobre como devemos nos movimentar em uma sociedade onde cada um tem o direito de ser o que quer”, afirmou Schuch.

Para a moderadora do webinar, Cristiane Domingues de Souza, a diversidade e a inclusão estão em pauta em todas as organizações, desde as pequenas empresas até as grandes corporações. Segundo a contadora, uma estudiosa da matéria, “somos plurais, somos diferentes e temos que aprender a conviver com as diferenças. Esse aprendizado é um crescimento. Mas, sempre fica a pergunta sobre o que nos faz sermos vistos como diferentes e o que nos faz iguais? Se tirarmos “a casca”, o que está aparente, o fato de termos um coração batendo nos torna iguais – somos todos humanos!”

A primeira questão proposta para debate foi alusiva ao “Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+”, transcorrido em 28 de junho, dia que marca o combate à homofobia, em vários lugares do mundo, entre eles, o Brasil, um dos países que mais mata a população formada por lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros, queer, intersexos, assexuais e outras identidades de gênero e orientações sexuais que não se encaixam no padrão cis-heteronormativo (LGBTQIA+).

A vice-presidente de Registro do CRCSP, Daisy Christine Hette Eastwood, relembrou o histórico da data que dá visibilidade à questão, desde 1969.

Outro fato histórico, lembrado pela coordenadora Cristiane, foi a recente aceitação do Conselho Federal de Contabilidade (CFC) pelo Comitê Internacional do Pacto Global da ONU. A integração representa o compromisso do CFC de contribuir para atingir os dez princípios do Pacto, entre eles, a questão da diversidade.

O integrante da Comissão de Estudos do Terceiro Setor Juliano Cechinato avalia a diversidade como ainda sendo uma questão delicada não só para a classe contábil, mas, também, no Brasil e no mundo todo. Justamente por isso, entende que é preciso estimular o debate.

“É só por meio da diversidade que existe a evolução, seja pessoal, profissional, comunitária ou social. Afinal, a diversidade não é unicamente somar, é também multiplicar conhecimento, autoconhecimento, horizontes, perspectivas e humanidade. É quando se aprende a amar o ser humano como ele é”, disse Cechinato, seguro de que essa premissa é válida para qualquer profissão.

Daisy chamou a atenção para o fato de que a valorização, promoção e uma boa gestão da diversidade e da inclusão pode resultar em desempenho superior em relação a todos os tipos de organizações indiferentes a esse tema.

A discussão sobre o preconceito, a intolerância e a necessidade de mudanças culturais dentro e fora da profissão contábil, dentre outros aspectos da diversidade e inclusão, está disponível no webinar “Diversidade e inclusão na profissão contábil”, na TV CRCRS no YouTube. Confira!